terça-feira, outubro 24, 2006

Paradoxo Sofista.



Um menina magra desnutrida vai descendo a rua, canelas finas, doente, semi-morta, dor e angústia, falta de comida, falta de dignidade, falta de vida. Ao seu lado passa uma garota de classe média alta, “Patricinha”, magra, doente, semi-morta, em busca de “dignidade”, falta de vida, de vida real. Um Paradoxo – Uma vítima da ganância e do descaso dos Governantes – vítima de décadas e por que não séculos de exclusão social. A outra – vítima da procura do padrão de beleza, que massacra, que lhe adoece o corpo e a alma. Essas duas são o retrato de dois Brasis - Um o Brasil semi-alfabetizado, desnutrido, miserável, esfomeado, alienado. O outro um Brasil Rico, Fashion, 1° mundo... Mas, também alienado, que agrega os valores do mundo ocidental capitalista, agrega também suas fobias e doenças – a bulimia e posteriormente a anorexia.

Maniqueísmo à parte, quem é o vilão e quem é a vítima? A classe miserável abaixo da linha da pobreza é sem dúvida vítima, mas também muitas vezes vilã de si mesma. Não no ponto de estar nesse patamar por querer, mas quando muitas delas entregam suas vidas, seus futuros a uma força divina – deixam de querer e pedir mudança por cair no senso comum de dizer que está nessa posição por que seu deus quer dessa forma. A classe média alta, que nesse breve ensaio é representada pela doente de anorexia, pode ser vítima por fazer parte de um meio, de um fim, por aceitar ser produto pela aceitação e por isso, também, torna-se sua grande vilã.

São dois Países em um só. Dos mais distantes grotões e bolsões de miséria aos altos prédios e enormes casas da classe média alta. De um lado a mais dura realidade de um povo massacrado, enganado, e assaltado todos os dias. Do outro a mais pura fantasia, de um povo que se massacra, que se engana e se assalta dia a dia. De um lado a dor da fome e do “acaso” que lhe joga precipício abaixo mesmo sem querer. Do outro a dor e a angústia da mesquinharia e da futilidade narcisista, sem ou por querer.

E assim vamos andando sorrindo sem dentes ou com flúor de sobra. Uns em suas Bicicletas Barra fortes, outros em suas Land Rovers Discovers. No prato de alguns Ovo e Feijão, no prato de outros Caviar e Escargot - No prato de ambos o Pão e o Circo. No estomago e alma de todos, O NADA.

2 comentários:

Pedro disse...

Rapaz...
Fizeste a escolha certa. Jornalismo é realmente a tua área, sem dúvidas.
Parabéns.

Cássio Augusto disse...

C*... excelente post... muito crítico e tudo o mais... mostrou bem como os diferentes Brasis sofrem as vezes de problemas parecidos mas ao mesmo tempo diferentes!!!