quinta-feira, agosto 14, 2008

Primavera

Tic-tac bate o relógio, bate o ponto, bate-estaca. Planta a esperança em solo argiloso – entre raízes e ossos de gatos, afundam as vigas até o fundo da alma.

Apita, então é pausa. Levanta, caminha, se senta e descansa. Mãos grossas sem tino pro fino, só o espesso concreto da aura. E o rosto marcado, queimado de sol e de sombra, que se espalha qual uma praga de gafanhotos-esperanças – apagou-lhe, apagou-a.

Plantados no chão, tantas vidas - tantos sonhos, e o que fica enraíza e floresce em mudanças, profundas e determinadas, sem fins nem meios - moral alheia flagelada.

São tantos solos, tantas cores, regados de sangue de tantas flores que um dia ousaram ousar. Até porque, nesse enorme país o horizonte só se avista ao longe, e o medo e a premissa se fundem em desproporcionais desigualdades verticais.

Mas enraizados na história também estão exemplos que se possa enfatizar. E quem são os que não se lembram do garoto subestimado, que subiu nos mastros a destroçar bandeiras e a gritar: “nous sommes le pouvoir”?



Rodrigo Barradas

2 comentários:

Sw disse...

sei lá... suas palavras cantam ^^

abraços

Everton Amaro disse...

- J´Accuse